quinta-feira, 6 de outubro de 2011

A filosofia e o Filosofar do Espírito Livre

Vou escrever num pequeno texto o que corrobora as perspectivas do grande Filósofo Nietzsche:

 Um Filósofo Espírito Livre não depende da aprovação da maioria ou da Totalidade da Humanidade para sentir a plenitude e altura suprema de sua sabedoria e genialidade. Ao contrário, a aprovação e dependência das massas é até uma objeção contra sua sabedoria, já que a massa humana em quase sua totalidade é composta por homens comuns, simples, de pouco discernimento, entendimento e inteligência. Aquele que para se sentir um grande Filósofo e Sábio depende da aprovação de uma grande comunidade de homens, é na verdade o contrário do Espírito Livre, um Espírito Escravo, por que não se libertou ainda dos julgamentos e das opiniões alheias.

Nós, os Filósofos e Sábios Espíritos Livres, Escrevemos e Filosofamos em palavras pelo puro prazer dessa atividade. Não para a função vulgar do ganha - pão como faz muitos outros que se intitulam Filósofos. Para nós a Filosofia é um exercício natural - prazeroso, uma espécie de função sexual - mental em que o Filosofar é um climáx -orgásmico que depois de começado (conhecimento e iniciação da Filosofia) só termina com a morte da consciência e do corpo físico do Filósofo. Um orgasmo mental constante e ininterrupto, isso é o Filosofar, a arte da Filosofia .

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

A perspectiva do Universo como sistema aberto.

A célula - ovo cósmica primordial poderia também ter começado seu desenvolvimento alocada em algum espaço similar à um útero, dentro de algum universo vivo paralelo no mundo - cenário Multivérsico ! Depois de seu desenvolvimento primordial, poderia ter sido cuspida para fora do Universo mãe, num processo similarmente próximo e parecido ao nascimento de um ser vivo multicelular aqui da Terra.

O que explicaria a expansão atual, é justamente o fato de minha filosofia científica considerar o universo como sistema aberto, que estaria se alimentando de outros universos paralelos vivos. Essa minha outra tese do sistema aberto, explica satisfatoriamente a expansão, dado que se o Cosmo fosse um sistema fechado e isolado não teria como se expandir, pois como pode um sistema fechado e isolado se expandir ? Vai crescer para onde se é fechado ? Vai retirar energia da onde para sua expansão?

Essa minha Hipótese leva em conta as atuais teorias da Inflação Cósmica, Big Bang e as Hipóteses do Multiverso !

E lembrem - se, não estou afirmando nada de concreto, mas apenas empreendendo analogias e comparações, mensurando e enumerando evidências diretas e indiretas, fazendo algumas deduções por eliminações e exclusões, e através dessas sustento a viabilidade lógica - científica - filosófica e a plausibilidade dessa hipótese.

Essa hipótese pode desmantelar - se e revelar - se falsa, caso seja descartada as teorias do Big Bang, da Inflação Cósmica e a Hipótese do Multiverso.

A inviabilidade da negação da lei da Causalidade.

O Filósofo Nietzsche disse em suas obras que temos que mandar aos infernos todas as metafísicas. Disse também que nenhum sistema filosófico metafísico mantém - se de pé e que nenhuma metafísica é justificável.

Concordo em parte com Nietzsche, mas se ele estivesse aqui lhe diria que talvez o único modelo de metafísica viável, justificável e sustentável pela lógica e razão seria justamente o da replicação infinita.

Por que a razão e a lógica são linguagem e ferramentas que utilizamos pela Ciência e a Filosofia dentro do universo, para explicar os fenômenos, a existência e nós. Então para além das fronteiras empíricas e do início do universo, se quisermos uma explicação mais próxima da razão, da lógica, da existência e da realidade, temos que continuar utilizando as mesmas ferramentas daqui de dentro.

Nenhum corpo, nenhum evento ou fenômeno é causa de si mesmo, ou é proveniente do nada. É muito mais lógico continuarmos a admitir a causalidade para explicar a origem do universo, para sustentarmos a origem das origens origens.

Se o universo teve uma causa, o big bang, essa causa tem que ser efeito de outra derivação anterior para se sustentar.

Quem admite o contrário, de que um efeito não precisa ter causa, está abolindo toda a Razão e a lógica e sustentando um absurdo monstruosamente inobservado e até hoje não detectado por qualquer meio de investigação científica - sensitiva disponível aos nossos sentidos e a nossa cognição racional - empírica.

A improbabilidade da existência de Deus.

Não parece e nem pode existir de acordo com o que é observado, último envolvedor, Causa Incausável e Eterna, espírito, alma ou qualquer ser eterno, imutável e imaterial que os religiosos niilistas e decadentes de todos os tempos chamam de Deus.

O que parece existir segundo meu sistema Filosófico Gigantariano é o infinito e continuo Envolvimento e replicação das estruturas cósmicas que se desenvolvem, morrem, se absorvem e se sustentam coma as energias uns dos outros !

É o infinito e contínuo movimento juntamente e inseparável da infinita e contínua matéria que nascem, se reproduzem, se expandem, se encolhem e morrem. A infinita construção e destruição, expansão e contração, subida e descida, vida e morte, tudo isso é infinito finitizar e começar, tudo é GIGANTARES !

Heráclito de Eféso chamou isso de Devir, Nietzsche do Eterno Retorno, Darwin de Evolução e eu denominei poeticamente e filosoficamente a existência, o nosso Cosmo e toda sua beleza assombrosa e infinitamente envolvedora, de GIGANTARES !

Me embasei também na geometria dos fractais do matemático da Teoria do Caos Bernoit Maldeubrouth (me corrigem se estiver errado, sou um analfabeto em inglês)!

Um experimento mental.


Se fosse possível fabricarmos uma máquina dimensional encolhedora e reduzir as dimensões espaciais de um corpo humano e coloca - lo nas dimensões de algum elétron de um átomo (o elétron seria o planeta Terra e o núcleo do átomo seria o sol), para esse homem encolhido, o núcleo do átomo equivaleria ao sol e os elétrons equivaleria aos planetas. O tempo para ele passaria muito rápido em comparação ao observador aqui da terra, pois as dimensões dos elétrons são bem menores que a da Terra, o movimento (tempo) do corpo menor a ser percorrido teria uma dimensão de giro menos abrangente, forças menos intensas e então o elétron se desintegraria e desgastaria muito mais rápido que a Terra e o homem do elétron morreria e também se desintegraria muito mais rápido que o operador da máquina encolhedora que ficou na Terra. Ou seja, se esse experimento mental fosse possível, provavelmente o homem reduzido morreria no meio do processo de encolhimento, antes de chegar no elétron, pois sofreria os efeitos do tempo (movimentos) dos outros corpos que são bem maiores que os átomos e as partículas!

Resumindo, o tempo no meu Sistema Filosófico Gigantariano (que é o movimento dos corpos) depende das dimensões e tamanhos dos corpos materiais.

Tempo e matéria são unos e inseparáveis, não existe um recipiente chamado tempo em que as coisas acontecem e os corpos aparecem.

O tempo é o movimento (pois o tempo é o próprio movimento na minha Filosofia) da matéria e de todos os elementos cósmicos que surgiram e se multiplicaram no Big Bang e que hoje ainda estão transformando, se multiplicando e continuando a compor e descompor nosso universo e suas extensões. Se não houvesse matéria, jamais poderia existir o movimento (tempo) independente dos corpos e fenômenos. E se não houvesse o tempo (movimento), a Matéria inerte e concentrada no denso ponto celular cósmico primitivo não poderia jamais sair daquele estado e não poderia em hipótese alguma dar início à transformação e evolução do universo.

O tempo (movimento) do Cosmo surgiu juntamente com a matéria no Big Bang. Se não houvesse o movimento, não haveria o tempo relativo, as transformações dos elementos, dos corpos do nosso Universo e em consequência a Matéria estaria Eternamente cristalizada e compactada na célula - ovo primitiva sem qualquer oportunidade do vir a ser e do devir. E se não existisse a Matéria, mas somente o Vácuo absoluto, em consequência nada existiria, pois o Movimento não é possível, cognoscível e nem necessário no Vácuo, por que no Nada nada é ou seria possível, Nada é ou seria seria necessário, Nada é, Nada teria necessidade de existir ou existiria, Nada Viria - A - Ser, no Nada nem o conceito do não é aplicável, nem à referência a palavra Nada é aceitável, por que ao falarmos no Nada nada é possível já estamos tomando esse Nada como um Referencial Físico de potencialidades existenciais. A unica imagem e possibilidade existencial do Nada é no plano mental - imaginativo. Podemos imaginar o Conceito Físico de Vácuo Absoluto retirando mentalmente toda a matéria que forma e compõe o Universo. Mas isso não implica possibilidade factual e concreta para a existência do Vazio Absoluto. O movimento não é possível no vácuo por que somente os corpos materiais e os fenômenos derivados desses corpos se movem, somente é possível pensar, cognoscer e deduzir a existência do movimento como manifestação na matéria e nos seus subprodutos. Quanto ao Vácuo Absoluto, como já disse, esse só existe como potencialidade mental - imaginativa, concretamente ou fisicamente não existiu, não existe e nem jamais existirá.  

GIGANTARES

Todos nós e tudo o que existe somos GIGANTARES, por que somos abarcadores e englobadores de universos vivos - células e também somos abarcados e englobados dentro do organismo cósmico, que ainda pode ser vivo e ser englobado dentro das outras dimensões - mundo Multivérsicas (levando - se aqui em conta a Hipótese dos Universos Paralelos no cenário - dimensional Multivérsico) de acordo com minha hipótese Científica Filosófica Gigantariana do Universo Vivo.

GIGANTARES é o que engloba e é englobado, abarca e é abarcado. Nós somos englobados dentro da partícula Terra que é extensão do universo. Mas englobamos em nosso corpo as partículas células, que também são vivas e também são GIGANTARIANAS por englobarem em seus corpos os átomos e serem englobadas por nossos corpos. Os átomos também são GIGANTARIANOS, por que abarcam em seus núcleos as partículas subatômicas e são abarcados pelas células de nossos corpos. As partículas subatômicas também são GIGANTARIANAS, pois englobam em suas extensões dimensionais outras partículas e são englobadas dentro do corpo do átomo. E assim poderia ser ao infinito.

GIGAN = Grande, infinito

Tares = O abarcador e abarcado ou o englobador e englobado, diluidor e diluível ou envolvedor e envolvido.

GIGANTARES = O grande, o infinito englobador e englobado, envolvedor e envolvido, dimensões e universos esferoidais curvos concêntricos uns sobre e dentro dos outros em vórtices envolvedores ilimitados e tendentes ao Infinito.

Sobre Sócrates.








Sócrates disse ou pelo menos lhe foi atribuído a sua mais famosa frase:

" Só Sei Que Nada Sei ".

O Filósofo Feitoza diz:

" Só Sei Que Tudo Não Sei ".

Por que se Sócrates nada sabia, em consequência nada discursaria, ensinaria ou deixaria como legado. Se pelo menos sabia que nada sabia, esse mínimo saber que nada sabe questiona e refuta a sua própria afirmativa de que nada sabia. E o Questionamento e a Dialética são os legados e a sabedoria de Sócrates.


Com essa Famosa Frase, ele deixou meio escondido e oculto que se considerava um Sábio, que existe o Sábio - Filósofo em detrimento do Ignorante e que a maioria, as massas, os homens comuns seguidores dos costumes, os homens de rebanhos são Ignorantes e Espíritos Escravos em detrimento e oposição aos raros e nobres Espíritos Livres, os Filósofos e Sábios. E esse para mim foi o segredo e a Ironia de Sócrates.

A diferença entre eu e ele, Feitoza assim como Nietzsche deixa claro que Sabe e é Sábio, Sócrates já prefere ocultar sua sabedoria com frases obscuras, de difícil entendimento e penetração.

Máxima do Aristocrata.


Máxima do Aristocrata



"Se todos ou a quase a totalidade dos Homens fossem Sábios, seria eu Néscio e Ignorante".

Origem das Idéias, artefatos e tecnologias humanas.


A Réplica da Camisinha.


Na camisinha temos o prepúcio do pênis do homem replicado de forma invertida. O prepúcio natural é aberto na glande e fechado na base(se encerra na base do pênis). Já o prepúcio artificial (a camisinha) é fechada na glande e aberta na base. E ele foi replicado com a utilidade de evitar doenças e contaminações que contribui para a saúde e manutenção da espécie humana.

Origem das Idéias, artefatos e tecnologias humanas.


A Réplica do Cristianismo e do Deus Cristão.


O homem religioso - cristão replica sua imagem em Deus. Por que o homem nunca aceitou a morte e o fim de sua vida. Deus é a imagem e réplica do homem que quer se eternizar. Todos os religiosos dizem que Deus é eterno, causa primeira e incausável, que não tem fim e nem começo. Como diz os crentes, somos imagem e semelhança de Deus, Deus é a infinita inteligência, infinita bondade, infinita compaixão, infinita justiça e amor. Quem possui essas qualidades é o homem. Com a diferença que em Deus esses atributos humanos são de proporções eternas e absolutas, por que o homem quer e deseja vencer a morte e continuar sua existência de homem com essas qualidades para sempre. Deus é o homem eterno. Como não existe nenhum homem eterno, então o Deus cristão também não existe.
O céu é imitação dos estados de felicidade, alegria, riqueza e prazeres que vivemos nessa vida ou que apenas alguns homens (os mais ricos e nobres) vivem. Lá existe a promessa da vida eterna com Deus e seu exército de anjos, com Deus em seu palácio de ouro, que é réplica dos palácios dos reis humanos. Dizem que lá não haverá dor, mas só prazer. O céu é uma réplica do mundo idealizada e modificada, em que apenas tudo que a maioria dos homens consideram de bom nesse mundo serão conservados por toda a eternidade para quem viver e habitar lá. O inferno é a reprodução eternizada dos sofrimentos e privações por que passaram os homens na Terra. Aqueles que fizeram outros sofrerem e que tiveram todas as riquezas terrenas nas custas do sofrimento alheio (os nobres, reis e ricos), padecerá do mal para sempre. Então Céu e Inferno são respectivamente réplicas dos estados de sentimentos de prazeres e sofrimentos humanos desse mundo. Com a diferença que, quem sofre aqui inversamente terá outra vida (e essa eterna) de prazeres no céu com Deus, e quem é ou foi feliz, rico e nobre nesse mundo (e ninguém pode ser rico sem explorar os miseráveis e pobres), terá o sofrimento eterno no fogo do inferno (sobre a inversão dos valores, ler o Anti Cristo e a Genealogia da Moral de Nietzsche).

Origem das Idéias, artefatos e tecnologias humanas.


A imitação da consciência humana 3.


Em relação as estruturas e peças materiais dos computadores, os chips, vávulas, réles, placas e etc.., seriam réplicas dos sub órgãos do cérebro humano, dos hemisférios, ventrículos, cortéx e todas as partes orgânicas que fazem nosso cérebro processar a consciência.
As fiações elétricas - eletrônicas seriam reproduções das ramificações dos microvasos e vasos sanguíneos, aortas principais e nervos (por exemplo, os fios eletrônicos dos monitores seriam réplicas das veias e dos nervos ópticos que irrigam o olho com sangue e transmitem os sinais visuais ao cérebro, os fios eletrônicos internos da CPU, do Processador e da Memória seriam réplicas das miríades de nervos que recebem e transmitem as informações, os impulsos, reflexos, ações e reações do organismo, e também das veias e vasos sanguíneos que irrigam o órgão cerebral com a energia sanguínea que seriam réplica da energia elétrica).
Uma descarga violenta de energia na rede elétrica pode sobrecarregar as fiações - veias do PC podendo inutilizá - lo totalmente ou parcialmente (a queima de partes vitais como a placa mãe seria a morte ou a queima de componentes secundários seria um derrame parcialmente reversível), assim como uma tensão muito grande de sangue nas veias e aortas do cérebro humano pode provocar derrames e lesões que podem estragar totalmente o cérebro ocasionado um estado de total vegetação, morte cerebral, ou então um AVC leve que danifique apenas algumas "peças" do nosso aparato encéfalo - neural, que pode ser totalmente ou parcialmente revertido por tratamento dos médicos (ainda considerando que o técnico e mecânico dos computadores são as correspondentes réplicas profissionais dos médicos neurologistas).

Origem das Idéias, artefatos e tecnologias humanas.


A imitação da consciência humana 2.


O computador é um artefato tecnológico refinado que passou pelo processo de evolução, englobando a eletricidade, televisão, máquina de escrever, eletrônica e o mecanismo cerebral da consciência humana. A televisão imita somente o processo do pensamento, que é encadeado pelos órgãos dos sentidos também presente na televisão nas formas de som(fala humana), monitor(visão humana) e nas freqüências dos canais de transmissão (distintos pensamentos e ações que tomamos para mudarmos de atividades). O computador é a junção da televisão e da máquina de escrever, reunindo ainda os processos elétricos e eletrônicos e a reprodução do aparato cerebral interno que processa as consciências humanas e nossas ações e reações.

O computador em comparação com sua antecessora televisão, é uma réplica aperfeiçoada da consciência humana.Temos os programas da Memória, que são cópias da memórias humanas de armazenamento de informações, os teclados são replicações dos nossos dedos das mãos com que escrevemos e enviamos as palavras, os monitores seriam reproduções dos nossos olhos (se apagarmos o monitor não vemos nada, assim como se fecharmos os olhos também não veremos nada, mesmo como o monitor aceso), o mundo virtual (internet) é réplica do mundo natural onde as pessoas se encontram e a energia elétrica que abastece o PC equivaleria ao alimento, água e sangue com os quais nos alimentamos e mantemos nossos corpos e nossas mentes funcionando. Se a energia do computador for cortada ele parará de funcionar, similarmente se deixarmos de comer e beber água, ou se o sangue deixar de circular, nossos corpos e nossas mentes também pararão de funcionar. Ainda hoje o PC é uma imitação muito imperfeita do órgão encéfalo - neural humano. A memória de um computador por mais potente que seja, jamais iguala o potencial da memória de um ser humano, o nosso cérebro em comparação com o PC trabalha com quantidades baixas de energias, enquanto a réplica cerebral funciona com alta voltagem e consome bastante energia elétrica.

Origem das Idéias, artefatos e tecnologias humanas.


A imitação da consciência humana.


Nos televisores modernos e nos computadores temos a replicação da consciência humana. Na televisão temos a sucessão de imagens, experiências e acontecimentos da sociedade. A memória e o pensamento também é a sucessão de imagens e vivências individuais de cada um. Desligamos a televisão quando não queremos mais assisti - la. Desligamos de forma suave a nossa consciência quando estamos com sono e queremos dormir(embora a consciência não esteja totalmente desligada, principalmente quando sonhamos). Mudamos a freqüência do canal quando a imagem que passa na televisão nos desagrada. Mudamos também a freqüência dos pensamentos quando determinado pensamentos não nos agrada, ou se torna demasiados cansativos para nós.O monitor da televisão seriam nossos olhos com o qual captamos as imagens. Só podemos captar as imagens do mundo e reter em nossa memória graças aos nossos olhos. Só podemos captar as imagens da televisão graças aos olhos dela, que são o monitor.

Origem das Idéias, artefatos e tecnologias humanas.


A réplica dos aviões.


O desenvolvimento tecnológico mostra nossa riqueza de adaptação - imitação - reprodução de estruturas físicos naturais, de organismos e estruturas animais e dos próprios órgãos dos homens, como está bem fundamentado nos exemplos que até agora demonstrei. Na imitação dos animais a melhor ilustração hoje é a aviação moderna, que sem sombra de dúvidas o homem teve a idéia de voar ao observar as aves voando e planando e os aviões hoje reproduzem os mecanismos de voo das aves e dos insetos como a libélula e os mosquitos com os Helicópteros.

Aqui vai um link para melhor informação e verificação sobre a história e evolução dos aviões ao longo dos tempos:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Hist%C3%B3ria_da_avia%C3%A7%C3%A3o

Origem das Idéias, artefatos e tecnologias humanas.


Gênese e evolução dos talheres humanos.


Comparemos lado a lado um garfo com o ante - braço e as mãos humanas. O corpo do garfo equivalem aos braços, a volta do garfo aos punhos e os quatro espetos do garfo aos dedos, com exceção dos polegares (apesar de existirem garfos de 3 e 4 espetos,nunca vi garfo com 5 espetos), que deixariam o garfo muito grande. Os primeiros protótipos dos garfos provavelmente foram utilizados como espetos únicos, eram extensões das mãos e braços dos homens primitivos para assarem e cozerem alimentos e evitarem de queimarem - se no contato direto com os alimentos nas fogueiras, sendo quase certo que foram empregados primitivamente na forma de lascas de ossos, pedaços afiados e lascas de galhos de árvores e forquilhas de madeiras talhadas com lâminas de pedras como elos gradativos - evolutivos intermediários, antes de chegarem nas formas atuais dos garfos modernos ( aqui vai um artigo histórico para ilustrar melhor o desenvolvimento do garfo ao longo da história: http://gastronomia-e-historia.blogspot.com/ ). As colheres equivalem as extensões do braço com a mão em forma de concha, para pegar alimentos mais líquidos e pastosos. No início antes de inventar os talheres, os homens deveriam utilizarem a mão em forma de concha para beber água das fontes, e a colher serve mais para tomarmos sopa, que é um alimento mais líquido.

Origem das Idéias, artefatos e tecnologias humanas.


A evolução das camas.


A cama parece ter evoluído do hábito dos homens dormir primordialmente no chão.
Devido aos constantes incômodos provocados pelas dores nas costas ao deitarem no solo duro, passaram a forrá - lo com palhas, materiais moles e afofados como o algodão ou a lã, dando origem aos colchoados e colchões primitivos como extensões artificiais das suas próprias costas reproduzidas com esses materiais para dar suporte e conforto as suas verdadeiras costas de carne, músculo e osso. Por causa dos ventos e tempestades que espalhavam esses materiais, parece bastante plausível que tenha sido as mulheres (já que sempre foram elas que dominaram a arte da costura) que tiveram a ideia de concentrar essas palhas, algodões e lãs num pedaço de tecido, costurá - lo e fechá - lo dando origem aos colchões enquadrados e fechados pela arte da costura.
Posteriormente, com o perigo e picada dos insetos, aranhas, escorpiões e cobras invadindo as residências e habitações, os homens foram obrigados a arranjar improvisos e soluções para eliminar esses problemas. E a solução encontrada deve ter sido a de arranjar uma base para soerguer esse colchões e acolchoados e evitar o contato deles diretamente com o chão. Surgiram então as bases de madeiras com os quatros pés e com o tempo foram desenvolvidas os estrados e grades para segurar e equilibrar melhor o peso do corpo dos homens e o colchão em elevação do chão.

Origem das Idéias, artefatos e tecnologias humanas.


As réplicas das cadeiras.


Outra réplica dos homens parece serem as cadeiras, que imitam a posição do homem sentado e agachado.

Antes de inventar a cadeira o homem deveria se sentar em pedras e troncos de árvores desconfortáveis, sem encosto para o descanso e quando estava em lugares que não tinha arvores, agachava para poder descansar melhor. Os bancos de madeira são os elos intermediários e réplicas originais dos assentos de pedras e dos troncos de árvores naturais e provavelmente foram reproduzidos para serem empregados dentro das ocas e habitações artificiais das sociedades e organizações primitivas humanas.

As cadeiras imitam fielmente e perfeitamente os homens sentados, o encosto da cadeira é reprodução do tronco humano que serve de anteparo para proporcionar sustentação e mais conforto as nossas costas e troncos próprios, o lugar que sentamos é réplica das do nosso colo e das pernas, os pés da frente da cadeira são réplicas de nossos pés e as pernas de trás foram replicadas e acrescidas tendo como modelo as de frente e serviram de inovação para dar um toque de refinação levemente original ao artefato (se bem que as pernas de trás também poderiam ser as réplicas dos braços dos homens na posição agachado).

Origem das Idéias, artefatos e tecnologias humanas.


A evolução das armas artificiais humanas 2.


Então depois de constatar que essas pedras e paus lhe serviam como meio de defesa, o homem tratou de conseguir meios para abater os animais e saciar sua fome ou para matar inimigos, conquistar territórios e vencer as guerras. Então simples pedaços de paus e pedras que tinham as funções de apenas bater e espantar os inimigos foram aprimorados, suas pontas foram afiadas para poderem entrar e dilacerar as carnes das feras ou dos inimigos e as lascas de pedras e lanças devem ter sido (os paus e pedras não contam como armas artificiais) as primeiras armas artificiais reproduzidas pelo homem. Uma lança é replica e extensão dos braços e mãos humanas sendo que a ponta da lança equivale as mãos e o corpo da lança aos braços. A principal utilidade da lança é que o homem a movimenta e impulsiona - a de uma considerada distância(com se fosse um alongamento e extensão de seus membros), surpreendendo o inimigo ou a presa e evitando o contato corpo a corpo, diminuindo bastante as chances de ser ferido e morto numa luta corporal física. Posteriormente deve ter vindo o arco e flecha, pois o elástico do arco seria a replicação artificial do ante braço com que o homem impulsionava e arremessava seus socos e golpes naturais. Só que com a inovação e vantagem que esse ante braço elástico - artificial possuía muito mais força do que o ante braço natural e que poderia arremessar a lança - soco de longa distância com maior precisão, força e de uma posição que o inimigo ou a presa não percebesse e observasse o atirador.

Com o advento da civilização moderna e a invenção da pólvora, as armas foram evoluindo até chegar Nas modernas armas de fogo que conhecemos hoje, sendo todas as armas réplicas, extensões e alongamentos dos membros(braços e punhos) dos homens. Nas armas de fogo os gatilhos são a réplicas do impulso do ante - braço para dar força ao soco e as balas seriam o punho de fogo que se desgarra do braço e é arremessado de longa distância pelo cano do revólver ou espingarda que são réplicas dos braços humanos.

Origem das Idéias, artefatos e tecnologias humanas.


A evolução das armas artificiais humanas.


As armas naturais de qualquer animal são seu punhos, suas garras, seus caninos e cada qual com seus meios de acordo com sua natureza. A arma natural dos homens primitivos eram seus punhos e dentes. Nas lutas entre seus próprios membros ou em guerras de tribos rivais, os homens deveriam usar sua própria força natural. Os mais fracos que viam desvantagem contra o oponente mais forte provavelmente apelavam para pedaços de pau ou pedra para compensar sua fraqueza e inferioridade. Numa luta de vida e morte, em atos de desespero ao lutar e caçar adversários e feras mais fortes que ele, o homem também deve ter apelado para pedaços de pau e pedra. Então a invenção das armas artificiais pode ter surgido tanto em lutas e conflitos entre os próprios homens, quanto em caçadas de animais de grande porte. Os paus e pedras eram utilizados como extensões artificiais dos braços e punhos humanos, que pelas circunstâncias deveriam ser atirados para afugentar e bater nas feras e inimigos .

Origem das Idéias, artefatos e tecnologias humanas.


As réplicas modernas dos cavalos.


Os carros motorizados que evoluíram das carroças são réplicas mais perfeitas e aprimoradas dos cavalos. As 4 rodas replicam as patas traseiras e dianteiras. O mecanismo de funcionamento do carro é replica do mecanismo de funcionamento orgânico - corporal interno e externo do cavalo. A água e o capim é o combustível que chega até o estômago e rins derivando - se em sangue, alimentando o coração e fazendo - o explodir em batidas de bombeamento sanguíneo, transformando - se também em energia e nutrientes que alimentam o seu corpo, assim como o combustível do carro adentra o tanque - estômago, alimenta o pistão - coração do motor que em explosões de batidas bombeia a correia e faz o corpo todo do carro funcionar e se mover. Os faróis seriam os olhos do cavalo, os retrovisores as orelhas com o acréscimo de mais dois olhos para vermos o reflexo atrás, a parte de trás são réplicas das nádegas do cavalo, já a parte de dentro do carro seria o dorso do animal. O escape é reprodução do reto e anus e a fumaça é réplica das evacuações das fezes do cavalo. O volante e acelerador equivale às rédeas, com o qual controlo sua direção e sua velocidade. Se soltarmos muito a rédea, o cavalo corre mais, se pisarmos fundo no acelerador o carro também aumenta sua velocidade. Se puxarmos a rédea para um lado específico, o animal vira para aquele lado, se virarmos o volante para um determinado lado, o carro vai também naquela direção que nós o guiamos.

Origem das Idéias, artefatos e tecnologias humanas.


A origem das carroças, carretas e carros bélicos.


Em relação a roda, já vimos que suas raízes originárias atrelam -se à tempos muitos remotos e que foram replicadas e utilizadas de troncos de árvores para dar sustentação ao peso de cargas que os homens primitivos não tinham força muscular própria para transportarem.
Com o passar dos tempos, os homens foram empregando os cavalos e mulas para efetuarem as rolagens e transportes das cargas. O cavalo poderia até ter sido utilizado (e é evidente que o foi por vários povos em diferentes períodos) sem precisar ser atrelado a ele os sistemas de rolagens e transportes humanos primitivos. Mas como suas costas são arredondadas e limitadas em espaço, então foi necessário o emprego das carroças como extensões do corpo do cavalo em capacidades de carregamento. Ainda na minha cidade de vez em quando vejo carroças somente com uma unica tábua, a do chão da carroça. As primeiras carroças tinham uma unica tábua em baixo sem tábuas laterais para segurarem a carga. Somente com o passar dos tempos é que o homem teve a idéia de aprimorar a carroça e fecha - la para aumentar a capacidade de carregamento e não deixar os objetos cair no chão. Posteriormente com as guerras, as carroças de guerras foram adaptadas e transformadas em carretas de quatro rodas para levarem grandes quantidades de guerreiros ao campo de batalha e passou a servir como um novo suporte bélico para arqueiros atirarem suas flechas. Depois com o transporte de pessoas, as carroças foram fechadas em cima também para evitar que as pessoas se molhassem e ficassem expostas ao sol, dando origem as carruagens e carroças fechadas.

Origem das Idéias, artefatos e tecnologias humanas.


Utilidade e origem da roda.


Muitos cientistas consideram a roda como o maior e mais importante invento da História da Humanidade.
As rodas parecem ter surgido como derivações modificadas de antigas práticas de rolagem de objetos e cargas pesadas em cima de troncos de árvores.
Nesse link abaixo tem um breve resumo histórico que ilustra bem o que estou apresentando:
http://www.museudantu.org.br/antiguidade.htm
Com o passar dos tempos paralelamente ao desenvolvimento das ferramentas de pedras e de ferro os antigos rolos de troncos foram sendo moldados para a facilitação e aprimoramento das rolagens e carregamentos de cargas em terrenos mais íngremes, ondulados e acidentados. Então os troncos de árvores foram sendo recortados para a redução do peso da carga e mais fácil e leve deslocamento da mesma, até chegar nas rodas perfuradas no centro e unidas pelos eixos.

Origem das Idéias, artefatos e tecnologias humanas.


A origem das vestimentas humanas.


Agora vou explanar e demonstrar o surgimento das vestes e roupas humanas, que foram retiradas dos animais polares de regiões próximas aos pólos. Uma forte evidência disso são os povos selvagens e indígenas das florestas equatoriais do planeta. Quando os europeus descobriram as américas, os índios em sua totalidade andavam nus ou semi nus (apenas com alguns arbustos e folhagens cobrindo as partes íntimas), pois em regiões equatoriais quentes e florestais a vestimenta não tem nenhuma necessidade. Somente depois do contato com os europeus os habitantes dos ambientes florestais e de climas tropicais quentes e úmidos aderiram à cultura da vestimenta. É bastante plausível que as vestes humanas parece ter surgido em regiões de clima frio, após a retirada de pelos de animais polares que eram caçados para a alimentação. O homem observou que esses animais resistiam bem ao frio, então percebeu utilidade em suas peles, retirou - as e cobriram seus corpos com essas rústicas roupagem para se aquecerem do frio.

Mas o hábito de cobrir o corpo e vestir - se também pode ter surgido de modo independente nos povos e habitantes das regiões desérticas afro - asiáticas. Por que o clima nessas regiões tem uma variabilidade muito rápida, no deserto do Saara por exemplo, de dia as temperaturas podem passar dos 50 graus positivos e de noite pode cair alguns graus abaixo de zero, variabilidade essa devida a ausência de nuvens e vegetação que fixam e aprisionam o calor do Sol no ambiente e na atmosfera. Então devido a essas condições, é altamente plausível que os afro - asiáticos tenham desenvolvido a cultura da vestimenta independentemente do contato e influência dos povos indo europeus nórdicos e outros povos habitantes das regiões polares. E os animais dos quais esses povos dos desertos retiravam as peles para cobrirem - se provavelmente eram búfalos, camelos, dromedários, zebras e muitos outros animais de pelagens curtas dos desertos.

Origem das Idéias, artefatos e tecnologias humanas.


O surgimento das habitações artificiais humanas 2.


Nas sociedades africanas e desérticas, as construções artificiais primitivas eram feitas com rochas, argila e areia, portanto replicadas com os materiais originais das habitações e dos esconderijos naturais primitivos humanos, as cavernas e montanhas rochosas.

Como exemplo podemos citar as pirâmides do Egito, que parecem terem sido erigidas como reprodução das formas geométricas e estruturais das montanhas em forma de V invertido situadas em desertos e paisagens afro - asiáticas.

Parece bastante evidente que as replicações das formas estruturais interna - externa de montanhas e cavernas rochosas tanto em ambientes florestais como em desertos ou nas regiões polares na pré história ou em tempos ainda mais remotos, aconteceu de maneira independente entre povos distintos isolados do contato uns com outros pelos mares, pelos rigores dos climas, pelas diferenças de línguas, laços e raízes culturais. Daí se deduz os motivos das diferenças entre as ocas e habitações artificiais dos índios e aborígenes habitantes das regiões de matas densas e florestas equatoriais e as diferenças entre as habitações artificiais primitivas dos ocupantes dos desertos e regiões polares. Cada região reproduziu as formas das habitações, suas estruturas e detalhes específicos de acordo com os materiais disponíveis no seu habitat, dando forma e fazendo pequenas modificações nessas replicações em adaptação às intempéries dos climas regionais, da necessidade de proteção contra o frio, calor ou chuvas em excessos. Foi então que o homem teve a ideia de fazer pequenos orifícios nas casas primitivas para refrigerar o ambiente do calor excessivo, dando origem as janelas. Ou então de construir chaminés e lareiras para aquecer a parte interna das casas.

E observando bem, os telhados em forma de V invertido são evidentemente iguais às formas triangulares externas das montanhas e o interior das casas são parecidos com os labirintos, corredores e compartimentos interiores das cavernas e montanhas rochosas.

Origem das Idéias, artefatos e tecnologias humanas.


O surgimento das habitações artificiais humanas.




Tudo o que o homem criou em inventos e tecnologias modernas não passam ou de réplicas alteradas dele mesmo, ou cópias modificadas de coisas que já existiam na natureza.

A idéia primordial da primeira habitação humana artificial foi retirada da natureza. Todas as estruturas de todas as construções tem algo em comum: quatro paredes e um teto. Se olharmos para as cavernas e grutas, veremos uma assombrosa semelhança com nossas modernas casas e construções. Em lugares distantes das cavernas, como o homem primitivo necessitava se proteger das chuvas e do frio, ele deve ter tido a idéia de imitar e reproduzir a estrutura de uma caverna com materiais das florestas, como galhos de árvores e folhagens secas(folhas mais largas para o revestimento e cobertura das paredes e dos tetos). Com as fortes chuvas, esses primitivos homens devem ter sofrido com a água e o frio entrando em suas casas pelos buracos dessas folhas e galhos secos. Então devem ter improvisado novos materiais para melhorar as condições nas épocas das chuvas e do frio, tecendo e amarrando as folhas secas em várias e espessas camadas, formando fibras mais resistentes a penetração das águas, as palhas, que eram sustentadas e emparedadas pelos galhos das árvores. A evolução ainda continuou, com acréscimo de madeiras mais densas e impermeáveis, onde esses materiais passaram a compor as habitações juntamente com as folhas e palhas até os suplantarem gradativamente com o passar dos tempos (essas construções mistas com madeiras, palhas e folhas ainda existem nas ocas de Índios e em comunidades primitivas). Mas a madeira apodrecia muito rápido, devido a insolação, chuva, frio e calor. Então começaram a empregar, misturar e edificar casas e construções com argila e madeira como formas mistas - alternativas de materiais mais resistentes as intempéries do clima e menos permeável as águas da chuva e ao frio. A partir desse momento, passa -se ao estabelecimento e desenvolvimento das bases da alvenaria das modernas construções humanas.

A Sátira do Pai Nosso.


O Pão Nosso.


Pão nosso que estais no cesto.

Santificada seja sua oferta.

Vem a nós o nosso alimento.

Seja sanada as nossas necessidades.

Assim em moeda como em papel.

Oh fiéis, o sustento nosso de cada dia dai - nos agora.

Perdoai as nossas cobranças.

Perdoai mais uma vez, agora a nós, os vossos cobradores.

E não caireis em negação (deixar de dar o dízimo).

Livremo - nos de todos os maus pagadores.

E também dos que não tem - Amém !


A oração do Pai Nosso na minha versão para papas, padres, bispos, pastores e para toda a classe dos clérigos e eclesiásticos cristãos.