quarta-feira, 30 de julho de 2014

        Refutação da Relatividade Restrita de Einstein.              




GPS funcionar também não prova nada a relatividade de Einstein, o tempo nunca foi medido tendo por base a velocidade ou deslocamento da luz no espaço, o tempo que medimos em segundos, minutos, horas, dias e anos sempre teve base nos movimentos de rotação e translação da terra ao redor do sol. 

Então isso de dilatação temporal e medida de tempo tendo como base a velocidade de deslocamento da luz é uma bobagem que nunca foi adotada pela humanidade como nova medição do tempo para substituir a tradicional, uma invenção metafísica da mente do Einstein que quase ninguém adotou, a não ser a grande maioria da comunidade científica com os relógios atômicos, que ainda são ajustados e regulados de acordo com o tempo tradicional que é medido em relação aos movimentos de rotação e translação do nosso planeta! 


Contradições na R. R


Os próprios físicos dizem que todos os postulados da relatividade só valem em escalas macro cosmológicas ou em grandes velocidades próximas a da luz, então não há dilatação temporal alguma em relógios em movimento dentro dos satélites e GPS, em comparação com relógios andando mais devagar na superfície da terra, já que a velocidade desses satélites não chega nem a 1% da velocidade da luz! 

A dilatação temporal nunca foi observada e demonstrada cientificamente em nada, em nenhuma fenômeno na realidade, nunca passou de fantasia do Einstein que se imaginava quando adolescente cavalgando e viajando ao lado de um raio de luz! 

Pra tentar por a prova e teste científico a dilatação temporal da relatividade restrita, se teria que ter uma nave ou foguete que acelerasse próximo da velocidade da luz, como não temos nenhuma artefato tecnológico que sequer chegou a 1 % disso, não se tem nenhuma prova científica e experimental da relatividade restrita. 

Mas a própria relatividade em seus postulados lógicos internos diz que um corpo massivo não pode atingir a velocidade da luz, por que para isso teria que ter massa e energia ao infinito, ou seja, segundo a própria relatividade uma nave nunca poderá atingir a velocidade da luz por ser um corpo massivo, então a teoria nunca poderá ser demonstrada e testada cientificamente. 

Ela simplesmente desaba sobre seus próprios postulados lógicos internos que se auto aniquilam mutuamente, por que primeiro Einstein imaginou que um homem viajando ao lado de um raio de luz na velocidade da luz não veria o tempo passar ou pra ele o tempo não passaria e depois ele diz com sua fórmula que para um corpo massivo atingir a velocidade da luz, teria que ter massa e energia infinita e que portanto essa viagem no tempo não seria possível. 

Ou seja, primeiro ele alegou uma possibilidade e depois negou - a com a fórmula, uma contradição lógica interna absurda! 


Fantasias einsteinianas: 


As bobagens metafísicas e puramente imaginativas do Einstein abaixo, dos 6 minutos e 15 segundos adiante começa a narração do vídeo abaixo por Michio Kaku:

Alhttps://www.youtube.com/watch?v=UnSA27a00To

Trecho abaixo entre aspas retirado do vídeo do youtube acima: 

" Quando Einstein era adolescente gostava de imaginar como seria cavalgar um raio de luz, agora ele voltou a essa ideia e ela mudaria sua vida. 

Na primavera de 1905 Einstein estava andando de ônibus quando olhou para a famosa torre do relógio, que domina Berna na Suíça e imaginou: O que aconteceria se meu ônibus estivesse viajando quase a velocidade da luz? Em sua imaginação Einstein olhou para a torre do relógio e o que viu foi surpreendente, ao alcançar a velocidade da luz o relógio parecia estar parado.

Mais tarde Einstein escreveria; Minha cabeça ferveu e de repente todas as coisas, tudo começou a tomar forma. Einstein sabia que na torre do relógio o tempo passava normalmente, mas na velocidade da luz em que seu ônibus estava, a luz já ão podia alcançá - lo. Quanto mais depressa se movesse no espaço, mas devagar se moveria no tempo. Essa percepção fez nascer a teoria especial da relatividade de Einstein, que diz que o espaço e o tempo estão intimamente relacionados. De fato eles são uma coisa só, um tecido flexível chamado espaço - tempo".

Nenhum comentário:

Postar um comentário