quinta-feira, 6 de julho de 2017

Pesquisas científicas e imagens astronômicas que demonstram as evidências empíricas para a hipótese do universo ser um organismo vivo

1 - Abaixo um link de um artigo publicado por cientistas russos em 2007, em que pesquisas demonstraram que partículas de poeira consideradas inorgânicas numa complexa mistura com plasmas( 4 estado da matéria) assumiram formas em parafuso helicoloidais similares ao DNA da vida orgânica, o que foi denominado de matéria viva inorgânica.

2 - Abaixo entre aspas, um trecho do artigo da wikipedia do físico sueco nobel em pesquisas com plasmas em 1971 Hanes Alfvem sobre a estrutura celular ( células de vida) do plasma:
Fontes: http://www.astrosurf.com/gouveia/IC434net.jpg

Nebulosa olho de Deus com sua imagem similar ao olho de um animal complexo da terra: Fonte: https://pt.dreamstime.com/ilustrao-stock-olho-do-deus-na-hlice-da-nebulosa-image60626461

Grandes cientistas e intelectuais que foram críticos ferrenhos da teoria da relatividade

Existem físicos e grandes cientistas da historia da ciência que refutavam e criticavam a relatividade?

Sim, pesquisem esses nomes na internet com a palavra crítica da relatividade ao lado, como Ernest Mach e a critica a teoria da relatividade, Rutherford, Tesla, Louis Essen inventor do primeiro relógio atômico que dizia que não existia provas concretas de dilatação temporal nos relógios dos satélites de GPS, Cesar Lattes, Andre Koch Assis físico brasileiro na atualidade que rejeita a ideia de espaço tempo. Obtive nas minhas pesquisas a crítica de Nicolas Tesla a ideia absurda da curvatura do espaço tempo:
Fonte: https://nikolateslabrasil.wordpress.com/2016/06/11/nikola-tesla-e-a-particula-de-deus/

Um professor de matemática na atualidade que também critica a teoria da relatividade:
Fonte: http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=teoria-da-relatividade-e-ideologia--e-nao-ciencia--defende-pesquisador


A falsidade dos relógios atômicos da comunidade cientifica provarem a dilatação temporal da teoria da relatividade especial de Einstein

O tempo é relativo?
Com a palavra, o inventor do relógio atômico, o doutor L. Essen:

Tradução Googliana: RELATIVIDADE - piada ou fraude?

Louis Essen re-afirma sua visão de que a teoria da relatividade de Einstein contém falhas básicas e fatais. L. ESSEN Quelle: ESSEN, L (1988): Eletrônica & Wireless World (WW), p. 126-127, fevereiro 1988 Alguns de seus contribuintes têm dificuldade para aceitar a minha afirmação (WW de outubro de 1978) que a teoria da relatividade de Einstein é invalidado por seus erros internos. Butterfield por exemplo (WW de fevereiro de 1987) nega que haja qualquer duplicação de unidades ou qualquer dano na obtenção de resultados de experimentos de pensamento. Além disso, se a minha afirmação está correta, o novo trabalho experimental descrito por Aspden (EWW, de agosto de 1987) não é obrigado a refutar a teoria, embora possa confirmar que suas suposições estavam erradas. Isto não quer dizer que os resultados experimentais não são importantes, mas eles devem ser considerados como passos no desenvolvimento de novas teorias. As discussões sobre a teoria tendem a ser muito envolvido e seus leitores podem estar interessado em uma breve história do sujeito que eu escrevi há algum tempo para um amigo que queria saber o que a polêmica foi sobre e, em particular, qual era o significado do relógio paradoxo. A teoria era uma tentativa de explicar o resultado de um experimento que tinha sido feito para medir a velocidade da Terra no espaço. Os cientistas haviam fundamentado que, uma vez que a luz é uma onda electromagnética que viaja através do espaço com uma velocidade indicada pelo símbolo c, e a terra é viaja através do espaço com uma velocidade v, deve ser possível medir v por uma experiência levada a cabo óptico no laboratório . Michelson e Morley concebido e utilizado um interferômetro para esta finalidade. Um feixe de luz era dividido em duas partes que foram dirigidas ao longo dos dois braços do instrumento em ângulos rectos entre si, os dois feixes sendo reflectida de volta para recombinar e franjas de interferência de forma. O instrumento foi ligado através de um ângulo recto, de modo que, se um dos braços foi inicialmente paralelas ao movimento da terra, tornou-se perpendicularmente a esta direção. Espera-se que não seria um movimento das franjas, a partir do qual a velocidade da terra pode ser calculada, mas nenhuma alteração foi observada. Houve sempre ... críticos: Rutherford tratado como uma piada; Soddy chamou de uma fraude; Bertrand Russell sugeriu que tudo estava contido nas equações de transformação de Lorentz; e muitos cientistas comentou sobre suas contradições. Fitzgerald e Lorentz apontam para que este resultado seria obtido se o braço do interferômetro que estava se movendo em paralelo com a terra era, em conseqüência desse movimento, reduzido em comprimento com a quantidade (1-v² / c²) ½. Tal suposição arbitrária não constituía uma explicação satisfatória e os cientistas tentou pensar em uma causa mais fundamental. Einstein chegou à conclusão de que a resposta descansou no modo como o tempo foi medido e a simultaneidade de dois eventos foi definida; e com base dessas idéias e dois pressupostos adicionais, ele desenvolveu sua teoria, publicada em 1905. Era essencialmente a teoria eletromagnética de Maxwell e Lorentz modificado para incorporar o resultado de Michelson-Morley. Mais tarde, em 1907, estendeu a teoria para incluir efeitos gravitacionais e previu que luz seria desviada, uma vez que passou perto do sol. A previsão só poderia ser testada observando o caminho da luz de estrelas durante um eclipse do sol e em 1919 Eddington liderou uma expedição à ilha do Príncipe, onde o eclipse era total; e quando os resultados foram estudadas, anunciou que a previsão se confirmou. A teoria foi então gradualmente aceite, chegando a ser considerada como uma revolução no pensamento científico. Mas sempre houve os seus críticos: Rutherford tratado como uma piada; Soddy chamou de uma fraude; Bertrand Russel sugeriu que tudo estava contido nas equações de transformação de Lorentz; e muitos cientistas comentou sobre suas contradições. Estas opiniões adversas, juntamente com o fato de que os pequenos efeitos previstos pela teoria estavam se tornando de grande importância para a definição da unidade de tempo atômico, me levou a estudar o papel de Einstein. Eu achei que ele foi escrito em linguagem imprecisa, que uma suposição era de duas formas contraditórias e que continha dois erros graves. ... Ele concluiu que, no final da viagem, o tempo registrado pelo relógio em movimento foi menor do que a registrada pelo relógio parado. O resultado não seguiu a partir da experiência, mas foi simplesmente uma suposição avançou implicitamente durante o procedimento complicado. A característica essencial da ciência é a sua dependcnce no experimento. Os resultados de ensaio são expressos em termos de unidades que não deve ser repetido se contradições devem ser evitados e as unidades de medida são os únicos quantidades que podem ser feitas, por definição constante. Quando Einstein escreveu seu papel, duas das unidades foram os de comprimento e tempo. Velocity foi medido em termos dessas unidades. Einstein definiu a velocidade da luz como uma constante universal e, assim, quebrou uma regra fundamental da ciência. Uma das previsões da teoria era de que um relógio em movimento vai mais lentamente do que um relógio parado idênticos.

Tendo em conta a hipótese de base da teoria de que a velocidade uniforme é puramente relativa, segue-se que cada relógio mais vai-se lentamente do que o outro, quando vistos a partir da posição da outra. Essa previsão é estranho, mas não logicamente impossível. Einstein, em seguida, fez o seu segundo erro no curso de um experimento mental. Ele imaginou que dois relógios foram inicialmente juntos e que um deles se afastou em uma série de caminhos de linha reta, a uma velocidade uniforme, finalmente retornando ao ponto de partida. Ele concluiu que, em seu retorno o relógio em movimento foi mais lento do que o relógio parado. Além disso, uma vez que apenas está envolvida movimento uniforme não há nenhuma maneira de diferenciar entre os dois e cada um relógio passa mais lentamente do que o outro. Este resultado é conhecido como o paradoxo do relógio ou, uma vez que os relógios são por vezes comparada a gêmeos idênticos, um de quem envelhece mais lentamente do que o outro, o paradoxo dos gêmeos. ... Eu não acho que Rutherford teria considerado (a teoria) como uma brincadeira tinha ele percebeu como seria retardar o desenvolvimento racional da ciência. Einstein definiu a velocidade da luz como uma constante universal e, assim, quebrou uma das regras fundamentais da ciência. Centenas de milhares de palavras foram escritas sobre o paradoxo, mas a explicação é simples, decorrente do uso de Einstein da expressão ", como visto de". É evidente que se o tempo de um relógio é visto a ser mais lento do que o outro, mesmo quando ele voltou para a mesma posição que o outro, então ele deve de fato ser mais lento. Mas as taxas de relógios distantes não são comparados por vê-las. Carrapatos a partir deles são recebidos e contou com um mostrador separado, um processo agora realizadas de forma contínua em todo o mundo para a sincronização de tempo atômico. É a leitura nesta ligação que seria controlada e não menos que no mostrador do próprio relógio. Se a experiência mental seja efectuada correctamente, o resultado é que o tempo do relógio que se move como medida na posição do relógio estacionário é menor do que a do relógio estacionário. Esta é a mesma que a previsão inicial, e é assim que deve ser desde um experimento mental não pode dar um resultado diferente a partir da informação colocar nele. Uso de Einstein de um experimento mental, juntamente com a sua ignorância de técnicas experimentais, deu um resultado que ele mesmo e gerações de cientistas surpresa. Convenceu-se de que a teoria produziu o resultado que ele queria, porque a contração do tempo é acompanhado pela contração do comprimento necessário para explicar o resultado de Michelson-Morley.

"A viagem de volta não poderia ter sido feito sem acelerações sendo aplicada, mas Einstein ignorou seu possível efeito sobre a taxa do relógio, assim, implicitamente assumindo que eles não tiveram nenhum efeito. Alguns anos mais tarde, em 1918, ele usou um outro experimento mental em uma tentativa de responder a críticas ao resultado paradoxo. Um dos relógios mais uma vez fez uma viagem de volta, as mudanças de direção que está sendo alcançados, alternando campos gravitacionais e desembarcar em várias fases da viagem, o tempo registrado pelo relógio em movimento foi menor do que a registrada pelo relógio parado. O resultado não seguiu a partir da experiência, mas foi simplesmente uma suposição avançou implicitamente durante o procedimento complicado. O abrandamento da relógios que ele tinha anteriormente atribuídas a velocidade uniforme, a aceleração não ter efeito, ele agora atribuída à aceleração, uma linha de argumentação seguido em muitos livros didáticos. Reivindicações feitas freqüentemente que a teoria é apoiada por evidência experimental não resistir a um exame minucioso. Existem sérias dúvidas sobre a afirmação de Eddington, tanto no que respeita ao valor previsto, que foi aumentada por um fator de 2, daquela primeira dada por Einstein e da forma como os resultados foram analisados -alguns das leituras de ser descartado. A mesma crítica aplica-se a uma experiência mais recente, realizado, a um custo considerável, em 1972. Quatro relógios atômicos foram voadas por todo o mundo e os tempos registrados por eles foram comparados com os tempos registrados pelos relógios semelhantes em Washington. Os resultados obtidos a partir dos relógios individuais diferiam em até 300 nanossegundos. Esta conclusão absurdamente otimista foi aceite e dada ampla publicidade na literatura científica e pela mídia como uma confirmação do paradoxo relógio. Todo o experimento mostrou foi que os relógios não eram suficientemente precisos para detectar o pequeno efeito previsto. Por que os cientistas aceitou uma teoria que contém erros óbvios e não tem qualquer apoio experimental genuíno? É uma pergunta difícil, mas uma série de razões podem ser sugeridas. Primeiro, há a linguagem ambígua usada por Einstein e da natureza de seus erros. Unidades de medidas, embora de fundamental importância, raramente são discutidos fora dos círculos especializados e os erros nas comparações do relógio são escondido nas experiências de pensamento. Uso de Einstein de um experimento de pensamento, juntamente com a sua ignorância de técnicas experimentais, deu um resultado que ele mesmo e gerações de cientistas enganado. Depois, há o prestígio de seus defensores. Eddington teve o total apoio da Royal Astronomical Society, da Royal Society e instituições científicas em todo o mundo. Tomando sua sugestão de cientistas, pessoas importantes em outras esferas da vida a que se refere a ela como uma conquista notável do intelecto humano. Outro forte motivo para a sua aceitação me foi sugerido por um ex-presidente da Royal Society. Ele confessou que ele não entendia a teoria de si mesmo, não sendo um especialista no assunto, mas ele pensou que deve estar certo, porque ele tinha achado tão útil. Este é um requisito muito importante em qualquer teoria, mas isso não quer dizer que os erros em que deve ser ignorado. Na medida em que a teoria é pensado para explicar o resultado da experiência de Michelson-Morley, estou inclinado a concordar com Soddy que é uma fraude; e eu não acho que Rutherford teria considerado isso como uma piada tinha ele percebeu como seria retardar o desenvolvimento racional da ciência. Dr. Louis Essen, D.Sc., FRS, passou a vida trabalhando no NPL sobre a medição do tempo e frequência. Ele construiu o primeiro relógio de césio em 1955 e determinou a velocidade da luz por ressonador cavidade, no processo, mostrando que o valor de Michelson era 17 km / s baixo. Em 1959, ele foi premiado com a Medalha de Ouro Popov da Academia de Ciências da URSS e também a OBE". Fonte da qual esse texto acima entre aspas foi retirado, com as palavras traduzidas do doutor Louis Essen, físico inventor do primeiro relógio atômico de Césio:

http://www.ekkehard-friebe.de/Essen-L.htm

A falsidade do experimento de Sobral em 1919 que supostamente teria corroborado cientificamente a teoria da relatividade geral de Einstein

E quanto a alegada corroboração experimental da relatividade no eclipse de 1919 em Sobral, aceita como demonstração inquestionável da cientificidade e veracidade da teoria da relatividade? Eddington manipulou aqueles experimentos de 1919 em Sobral - Ceará - Brasil, ele desprezou os resultados que corroboravam as previsões da teoria gravitacional de Newton e considerou apenas os resultados do experimento que corroborarem a teoria da relatividade geral de Einstein!
Isso tem nome, chama -se parcialidade ou fraude científica! Vejam as fontes abaixo: http://www.powershow.com/.../A_tica_na_Pesquisa_Cient... Fotos 38, 39, 40 e 41 do vídeo com o link acima, está lá a fraude do experimento de 1919 descoberta somente em 1979, 60 anos após! Não precisei nem saber dessa fraude, já sabia que a relatividade geral é uma falsa ciência por estudos e observações empíricas minhas do espaço, pois até hoje com todas as tecnologias que temos, já enviamos sondas, naves, foguetes, ônibus espaciais, telescópios e satélites para o espaço e ninguém ainda encontrou o tal tecido espaço - tempo para analisarmos e testá - lo experimentalmente.

Oras, uma estrutura flexível que se curva ante a pressão da massa de corpos astronômicos tem que ser composto de alguma estrutura física - material - elementar, mas cadê a detecção da composição física do espaço -tempo? Por que nenhum cientista não encontrou nenhum pedaço, átomo ou partícula dessa estrutura até hoje? Provavelmente porque essa balela de tecido espaço - tempo é enrolação, metafísica, fabula, magia, fantasia, invenção, mística, isso simplesmente é impossível de existir e exatamente por isso jamais será detectado empírica e experimentalmente.

Deflexão da luz no espaço não é prova científica do espaço - tempo da teoria da relatividade geral

Desvio de raios de luz podem serem explicados por outras teorias e fenômenos, sem necessidade alguma da existência e curvatura de um suposto e invisível espaço tempo físico que permearia todo universo. Vejam esse texto no parágrafo abaixo entre aspas retirado do endereço da fonte a seguir: http://astro.if.ufrgs.br/ism/ "As partículas de poeira são suficientemente pequenas de forma que espalham (desviam a direção, sem absorver) a luz de menor comprimento de onda (luz azul) mais eficientemente do que as de maior comprimento de onda (luz vermelha). De fato, fótons azuis são desviados cerca de 10 vezes mais eficientemente do que os fótons vermelhos. Quando um fóton é desviado, sua direção muda aleatoriamente. Desta maneira, o espalhamento reduz o número de fótons azuis em relação ao número de fótons vermelhos do feixe de luz que vem em nossa direção. Para fótons no óptico, o espalhamento é proporcional ao comprimento de onda na potência -4". Então,de acordo com o trecho entre aspas da matéria acima, o tecido complexo e invisível do espaço -tempo da teoria da relatividade de Einstein pode ser descartado pela Navalha de Ockham, já que essas nuvens de gases e poeiras interestelares explicam de maneira mais simples, física, natural e não metafísica as distorções e desvios de luzes, sem se precisar recorrer a um tecido do espaço que nunca foi observado e muito menos ainda experimentado cientificamente.

quinta-feira, 29 de junho de 2017

O sentimento de espanto na contemplação dos mistérios cósmicos, o batismo do filósofo

A hipótese do Cosmo ser um organismo vivo começou a fazer sentido para mim por observações empíricas que comecei a fazer a 13 anos atrás, mais ou menos no ano de 2004, contemplando a cintilação das estrelas no céu do quintal da minha casa.

Foi quando tive uma sensação de espanto sentado na calcada do quintal de casa contemplando o céu intensamente estrelado, olhando para cima eu meditava interrogando - me intensamente da onde tinha vindo toda essa grandiosidade dos céus do universo repleta de incontáveis pontos cintilantes, então olhei para cima e meditei em silencio, dizendo em puro pensamento:

"Quero te conhecer, hó grande desconhecido"!

"Quero ter acesso a sua essência grandiosa, infinita, imutável, eterna e absoluta"!

Depois de dizer isso, me arrepiei extasiado de ver as estrelas brilhando intensamente num céu límpido de nuvens e chorei nesse dia de tanta emoção.

Mais tarde, li a república de Platão e lá encontrei uma descrição parecida de Platão ao sentimento que caracteriza todo grande filosofo, que é o sentimento de assombro na contemplação pela consciência humana dos mistérios da natureza.

Depois comecei a estudar muito e desenvolvi a hipótese de que o universo poderia ser um mega universo vivo, verificando que as estrelas cintilam ou tremulam, e certa vez conversando com minha mãe vi as pálpebras dos olhos dela tremendo similarmente a cintilação das estrelas, a partir dessa comparação observacional entre o tremular elétrico das pálpebras da minha mãe com o tremular da cintilação das estrelas que tive a ideia da hipótese do universo vivo, depois comecei a englobar várias outras comparações como a pulsação elétrica do coração em batidas, que bate no mesmo ritmo da pulsação das estrelas, pois sabemos que um coração pode ter seus pulsos medidos em frequência de ondas elétricas, e então obtemos que o mesmo pulso de vida elétrica que existe nas estrelas em contração e expansão de suas cintilações, existe também no coração em sístole e diástole de contrações e expansões dos músculos cardíacos.

A partir dai fui englobando outras analogias da experiência para elaborar minha cosmologia da sinfonia cósmica da vida que parece estar presente talvez em todos os fenômenos da natureza.

Depois foi a vez do cri cri dos grilos entrar na sinfonia, um grilo também canta em cri cri cri, no mesmo ritmo de sístole e diástole do coração, o som cri equivale ao movimento de expansão do coração e o intervalo de silencio equivale ao movimento de contração do coração, na estrela o cri do grilo equivale a expansão do brilho da cintilação e o intervalo de silencio do grilo equivale à retração do seu brilho.

Posteriormente conectei os vaga lumes e animais bioluminescentes marinhos que produzem luz e brilhos ou cintilações de luz em seus próprios corpos biológicos.

Então por essas primitivas intuições empíricas - sensíveis seguidas de observações e comparações analógicas, estava montada uma hipótese precária, mas plausível de o universo poder estar todo animado de vida e poder ser um mega organismo vivo.

Posteriormente ainda li vários artigos que foram publicados nos últimos anos sobre plasmas e partículas de poeiras que reforçam essa hipótese, independentemente de minhas observações e comparações individuais de órgãos dos seres vivos com a cintilação das estrelas do universo.

Em breve trarei as fontes de pesquisas científicas modernas com a física do plasma, independentes de minhas observações, que corroboram essa hipótese do Cosmo poder ser um mega organismo vivo.

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Paradoxos da condenação eterna

Imaginemos uma situação em que uma pessoa assassina a outra. Levando se em conta que o cristianismo é verdadeiro, que existe Deus e o céu com toda perfeição divina, com o bem e a paz absolutos, e considerando ainda que essa pessoa que foi assassinada pela outra salvou - se e subiu aos céus, pois não roubou, não matou e nem cometeu nenhum pecado grave aqui na terra, ao passo que seu assassino é mal, cometeu vários pecados graves, mas continua vivendo na terra, sendo condenado pela justiça, vai para cadeia cumprir sua pena, lá apanha e humilhado, depois de muitos anos de cumprimento de pena sai da cadeia e vive muitos anos até a velhice, quando descobre que tem um câncer, começa um tratamento e inicia a sua luta contra a morte, agonizando a cada dia, sofrendo de todas as dores e males do câncer ate a agonia final da morte.
Nesses anos todos em prazer, felicidade, sofrimento e dor na terra, a pessoa que ele matou já esta la no céu desfrutando da eternidade e perfeição divina, não sente mais nada de dor, mais somente alegria e felicidade, a sua agonia da morte foi bem mais rápida e menos dolorosa que a do assassino que sofreu até a ultima gota de respiração lutando contra a doença.
Portanto, o assassinado já teve uma vantagem temporal e finita em relação ao seu assassino, pois ele foi mais rápido para a perfeição e eternidade, sofrendo apenas alguns segundos ou minutos para morrer, ao passo que a agonia e vida imperfeita do assassino foi bem mais longa aqui na terra, levou décadas para se livrar do corpo e anos da agonia do câncer. Logo seria paradoxal(contraditório, absurdo) Deus condenar a danação eterna ou inferno eterno uma pessoa com base nos crimes que ele cometeu na terra nessa vida finita e imperfeita, pois o sujeito já pagou pelo crime que cometeu aqui na terra com uma longa vida dolorosa e de sofrimento, ao passo que o cara que ele assassinou foi para o céu rapidamente se libertando do corpo com a ajuda do crime do assassino.

Um outro paradoxo da danação eterna deduzido dessa situação, seria Deus condenar ao inferno por toda eternidade a alma de alguém com base nos crimes finitos que ele teria cometido na terra, pois Deus estaria aplicando um castigo eterno como pena para um crime finito e não eterno, pois se uma pessoa mata a outra, essa tem uma alma eterna que subsiste a morte do corpo, não sendo de verdade prejudicada, mas ao contrário, perderia apenas o corpo e teria sua alma libertada para viver no céu de eterna alegria, paz, perfeição e bondade junto de Deus e das perfeitas almas que la já estão totalmente libertas do fardo do corpo finito, mortal e corruptível da face da terra. 

Logo Deus não pode julgar uma alma para ser condenada por toda eternidade com base em crimes finitos e não eternos que teria cometido na terra, pois seria uma desproporcionalidade e monstruosidade total aplicar uma pena eterna a um crime finito cometido na terra, e se Deus julga de maneira desproporcional não é justo e nem racional, e se não é justo e nem racional em seu julgamento não seria bom e portanto não seria Deus, mas sim mal e imperfeito. 

Logo resultado como dedução desse paradoxo que ou o Deus Cristão não existe ou então a ideia de condenação eterna é falsa por não ser condizente com a perfeição divina.

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Paradoxos do Atomismo.

Se fosse possível prosseguir indefinidamente a divisão da matéria, eu acreditaria como mais provável que esse processo poderia ser executado ao infinito (tese da divisibilidade infinita, contrária a antítese atomista)! O problema e que não podemos e nem temos força colossal para fazer isso, pois somos limitados fisicamente, somente conseguimos no máximo dividir até algumas frações de grão de areia, porque não conseguimos mais pegar os pedaços muito pequenos para poderem ser divididos novamente e assim sucessivamente, apenas as forcas cósmicas do universo poderia fazer ou um Deus fora dele de infinito poder. Resulta em paradoxos e absurdos insustentáveis defender a tese da existência de entidades / elementos materiais indivisíveis, os átomos, como consideraram Demócrito e Leucipo, tese que Aristóteles rejeitou corretamente. Por que temos que aceitar a existência de átomos, se a experiência nos mostra que todos os corpos compostos são divisíveis indefinidamente até os nossos últimos limites táteis - sensíveis? Se todos os elementos materiais são quebráveis em partes menores, do mais mole ao mais duro, uma barra de ferro quando batemos nela amassa e solta pequenos pedaços de metal e fagulhas de fogo - energia revelando - nos sua divisibilidade, por que então temos que aceitar que átomos (fragmentos de matéria indivisíveis), existem? Essa tese atomista nos leva ao paradoxo bem demonstrado por Anaxágoras e Aristóteles,de que as partes são maiores que a soma do todo, pois se os componentes minúsculos das minhas células são indivisíveis e eternos, sendo que eu não sou indivisível e nem eterno, resulta que as partes minúsculas e isoladas de matéria do meu corpo são todas indivisíveis, eternas, absolutas e perfeitas, ao passo que a soma delas ou meu todo corpóreo de Filosofo Feitoza é inferior a essas partes por ser divisível em outros componentes, finito, corruptível e mortal, o que resulta na refutação do atomismo por redução ao absurdo! Outro paradoxo revela - se no fato de que se átomos existissem, não teria nenhuma lógica eles procurarem outros átomos para se unirem, pois se já viveriam na mais perfeita e absoluta indivisibilidade, não precisando se unirem a nenhum outro átomo para fortalecer sua existência, pois eles já seriam indivisíveis, o máximo da existência, eternos, indestrutíveis, imunes a todo tipo de choques e destruições resultantes desses possíveis choques! Logo se átomos indivisíveis e eternos existissem, a matéria não teria unidade entre múltiplos, distintos e complexos elementos aglomerados em pontos concentrados no espaço, resultando na inexistência de coesão física e consequente inexistência de observação dos corpos e estados materiais! No que resulta em mais uma refutação lógica - qualitativa do atomismo, por uma nova redução ao absurdo! E por fim, átomos indivisíveis e eternos se unirem com outros átomos também indivisíveis e eternos, através de ligações feitas de matéria finita e divisível como é a nossa composição física - corpórea e a de todos os corpos animados e inanimados do mundo, também revela -se um total absurdo nessa tese, pois da onde surgiria uma matéria divisível e finita que liga os átomos, se esses mesmos átomos são feitos de matéria indivisível,eterna e absoluta? Dos próprios átomos primordiais que deram inicio a todo universo? Mas uma matéria finita e divisível que surge de átomos indivisíveis e eternos não seria uma corrupção inaceitável da essência eterna e indivisível dos átomos? Um átomo indivisível que da origem a uma matéria divisível não teria que possuir o gérmen da divisibilidade em sua essência, revelando na verdade que não é nenhum átomo, mas sim uma matéria corruptível e perfeitamente divisível, o que auto refutaria a própria tese democritiana da existência de átomos? Percebem o tanto de absurdos, paradoxos e idiossincrasias metafísicas que carrega a teoria dos átomos desde mais de 2600 anos atras? Na antítese à teoria atomista, não podemos observar e testar o processo de divisão ad infinitum, porque obviamente temos limites espaciais e físicos - temporais, mas pelo menos ela esta embasada indiretamente na experiência corriqueira, sendo uma hipótese muito mais racional e cientifica do que considerar a hipótese da divisibilidade finita em átomos finais e eternos, pois não temos nenhum exemplo de fenômeno ou objeto observável na experiencia que seja indivisível, indestrutível, incorruptível e eterno, ao passo que para a hipótese filosófica da divisibilidade indefinida ou infinita, temos o apoio da experiencia sensória de que todos os objetos, corpos e fenômenos físicos são divisíveis ou decomponíveis em partes outras menores, corruptíveis e destrutíveis!