quarta-feira, 30 de julho de 2014

Ficção Atômica e Nuclear. 



Fonte: http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=atomos-individuais-nunca-ter-sido-vistos#.U9bm3ONdXb4 


 Com quase todas pessoas que debato esse assunto ficam pasmas de eu demonstrar que a bomba atômica não dependeu de nenhum conhecimento factual interno do mundo subatômico, mas sim de uma simples descoberta experimental da radioatividade ou elementos químicos altamente energizados, que emitem radiações e brilhos. O próprio modelo teórico moderno de átomo surgiu por causa da descoberta da radioatividade. O que é radioatividade? É a atividade de determinados elementos e materiais emitirem radiações e brilhos independentemente de fontes luminosas externas como sol e outras estrelas. Diante dessa descoberta, Ruttherford e Niels Bhor propuseram o modelo atômico planetário, já que eles pensaram que se determinadas partes da matéria emitem radiações e luzinhas independentes do sol, então a estrutura desses átomos devem ser parecidas com um micro sistema solar, em que os elétrons eram espécies de planetas girando ao redor do núcleo atômico, que corresponderia ao sol.Só que esse modelo universal e moderno de átomo(ou seja, os físicos universalizaram o modelo atômico solar para todos os átomos de matéria do universo) é no mínimo altamente improvável de corresponder e explicar toda matéria e energia no universo, primeiro por que não observaram no mundo macroscópico que nem todos as estrelas possuem planetas girando ao redor delas, e segundo que nem todos os elementos materiais emitem radioatividade, mas somente alguns raros elementos químicos, logo não existe nenhuma base sólida em observações e experimentos no mundo para universalizar experiências que foram feitas com específicos e alguns poucos materiais. A física atômica moderna só vale como hipótese, mas como uma hipótese muito frágil, embasada em escassas e específicas experiências que jamais poderiam ter sido validadas a nível universal ou para todo tipo de matéria do universo. As chances dos físicos atômicos estarem errados e suas teorias não corresponderem realmente a grande maioria das coisas e fenômenos que alegam existir, é muito maior que do as chances de estarem certos e descreverem a realidade em tudo. 

 A questão é mais ou menos a seguinte, como algum físico vai observar realmente um fóton de luz como partícula, se  está focando -a com um feixe de luz? O que impediria um físico de observar bilhões de partículas no feixe do microscópio, antes que esse feixe iluminasse um único fóton que ele mira para observar?  Percebem como alegada física atômica é meramente matemática abstrata e totalmente paradoxal? Como ela nos mostra paradoxos, incoerências e limitações sensíveis - experimentais claras? Como vamos separar realmente sub partículas e delimitar núcleos dentro de um átomo que não conseguimos sequer observar, para posteriormente bombardeá -los com outros elementos? Para fazer isso, seria necessário termos ferramentas em tamanhos proporcionais a essas partículas. E isso não existe! 

 Minha teoria é a de ninguém nunca observou e manipulou núcleos atômicos e partículas subatômicas, seja por tecnologias ou pelos nossos sentidos. E estou embasado por esse estudo que trouxe aqui e pelos raciocínios, paradoxos e contradições em que cheguei usando os pressupostos da própria física, como já expus aqui em alguns argumentos meus. Elaborei uma nova teoria empírica - histórica  sobre a construção da bomba atômica, cheguei a ela através de conhecimentos históricos, conhecimentos básicos de física, a saber, de que ninguém faz bomba atômica com outro material que não seja radioativo e associações lógicas sobre a descoberta da radioatividade, chegando na descrição do processo de separação, refinamento, purificação e compactação do urânio ou outro elemento radioativo, para em seguida formar uma massa homogênea de material radioativo - concentrado, colocar essa massa num recipiente e detonar o recipiente radioativo com uma segunda bomba convencional ou disparo movido a controle remoto para desencadear a reação em cadeia. A reação em cadeia que eles falam no núcleo pode ser associada de forma bem simples e deslocada para a superfície do material radioativo da bomba atômica, como nos palitos de fósforos que colocamos no chão em forma de rastilho um colado ao outro, se acendermos um vai ocorrer uma reação em cadeia, uma pólvora do palito vai acendendo a outra, numa espécie de efeito cascata ou dominó! 
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário